2018/01/28

EDMUNDO PEDRO deixou-nos

Faleceu ontem, o nosso querido amigo Edmundo Pedro. Faria 100 anos em Novembro. Foi um lutador incansável pela liberdade até ao fim dos seus dias. Foi um combatente intrépido contra a ditadura salazarista cujo ódio o vitimou e a toda a sua família de forma terrível. 
Os seus três grossos volumes de memórias contam-nos de forma empolgante a sua prodigiosa e dramática vida e da sua família.
Foi um fervoroso comunista na sua adolescência e juventude. Depois afastou-se do PCP e da sua ideologia. Foi fundador do PS e um seu destacado activista até ao fim da vida.
Jovem, então membro destacado da organização da Juventude Comunista, mais uma vez dirigiu uma acção de agitação, um comício relâmpago, na Escola Comercial Veiga Beirão após o que todos fugiam cada um para seu lado para evitar a polícia. Assim fizeram mas o irmão com 14 anos foi apanhado por um grupo fascista, a "Liga 28 Maio" (data da chegada de Salazar ao poder) que o espancou com tal violência que o matou.
                             No 90º aniversário de Edmundo Pedro, na FIL, em 2008

Edmundo foi preso pela primeira vez, durante um ano, aos 15 anos e pouco depois, em 1936, foi de novo preso e enviado para o "Campo da Morte do Tarrafal" em Cabo Verde, na primeira leva de prisioneiros para aquele campo de concentração em que ia preso também o seu pai Gabriel Pedro e de onde saiu apenas 9 anos depois. A sua juventude, dos 17 aos 27, passou-a ali, naquele desespero, onde tantos prisioneiros morreram por maus tratos, pela insalubridade do local, pela recusa de assistência médica. 
Conheci o Gabriel Pedro na Associação 25 de Abril nos anos 90 e foi ele que me forneceu dados para compor uma mini biografia do seu pai, exemplo de coragem e bravura, no livro que publiquei sobre a Acção Revolucionária Armada - ARA, em 2000.  A vida de Gabriel Pedro é igualmente empolgante. Depois de Tarrafal e de todas as prisões políticas, do Aljube a Peniche, tal como sucedeu com o filho Edmundo, estava ele exilado em Paris, e pediu insistentemente ao PCP (Gabriel Pedro entrou e saiu várias vezes do PCP mas morreu seu militante) para vir clandestinamente a Portugal para participar na primeira acção da ARA e assim sucedeu foi ele com Carlos Coutinho o homem da sabotagem do Cunene o mias moderno transporte de carga para abastecimento das guerras coloniais. Tinha 70 insistiu e veio participar na luta armada,  na sua luta de sempre contra a ditadura. 
Tal pai tal filho! Heróis a não esquecer.
Gabriel Pedro foi também um destacado defensor da Memória da luta contra a ditadura. Com 87 anos foi um dos fundadores do Movimento Não Apaguem a Memória - NAM e até ao fim da sua inextinguível energia uma activista ou principal actor das suas iniciativas.
No meu blog MEMÓRIAS fiz uma busca por "Edmundo Pedro" e está aqui o link para a descrição de muitas das suas participações no NAM 
         
Deixo também algumas fotos de iniciativas do NAM onde temos o nosso grande Edmundo Pedro.

 5 Out 2006 1º aniversário do NAM
 Edmundo Pedro e Nuno Teotónio Pereira descerram lápide no Tribunal Penário
 Na manifestação organizada por Artur Pinto, no NAM, com ex-presos junto do Aljube em 2006

 No Aljube em 2006 nas traseiras do edifício do Aljube que o NAM levaria a museu 
  No Aljube na inauguração da grande exposição " A Voz das Vítimas", em 2011
 No Aljube na inauguração da grande exposição " A Voz das Vítimas", em 2011
 Na inauguração do Postalete  junto da antiga sede da PIDE 
 Tarrafal

Edmundo Pedro no colóquio sobre o Tarrafal na Assembleia da República em 29 de Outubro de 2008

Sem comentários: