2017/06/08

Watch Obama ‘hey-ho’ his way through Ray Charles’ ‘What’d I Say’

Com Bush ou Obama a política da Casa Branca manteve-se fiel aos interesses das suas multinacionais, do Pentágono, dos multimilionários, manteve-se fiel ao domínio imperial. Mas como personagem Obama marcou a diferença. Nem estou a alargar a comparação à inimaginável avantesma do presente.


Video by PBS/In Performance at the White House


After saying he wasn’t going to sing Wednesday night, President Barack Obama broke his promise at the tail end of a Ray Charles tribute concert at the White House.
The president thanked the crowd that had packed into the East Room of the White House in what was the final “In Performance” concert, a long-standing series produced by WETA since the late 1970s, of his administration.
“It is fitting that we pay tribute one of the most brilliant and influential of our times: the late, great ‘Genius’ himself, Mr. Ray Charles,” Obama said of the iconic soul musician, amid Black History Month.
The nights performers capped the musical tribute to the singer with a live performance of Charles’ immortal “What’d I Say.” Usher led the song, before Leon Bridges, Demi Lovato, Brittany Howard and others all joined the stage. At the end of the song, Obama, with the first lady nearby, led the crowd through the song’s famous hey-ho call and response.
PBS stations nationwide will air “Smithsonian Salutes Ray Charles: In Performance at the White House” tonight, Feb. 26, 2016, at 9 p.m. EST. Check your local listings.
Editor’s note: The headline has been changed to reflect the correct spelling of Ray Charles’ song “What’d I Say.”

2017/06/07

Vou tentar falar sem dizer nada

Grupo Outubro.mpg  -   http://youtu.be/TPDFmxxeT0E

     


VOU TENTAR FALAR SEM DIZER NADA

                                        Eu vou tentar, prometo, que destes versos
                                        Não saia uma canção mal comportada
                                        Eu vou tentar não falar do que acontece
                                        Eu vou tentar falar sem dizer nada.

                                        Não vou, por isso, falar da exploração
                                        Nem sequer do amor à Liberdade;
                                        Da luta pela terra e pelo pão
                                        E do apego à Paz da humanidade.

                                        Vou tentar não falar do que acontece
                                        Vou tentar falar sem dizer nada

                                        Vocês preferem que eu vos fale
                                        De grilos a cantar e gambuzinos?
                                        A vossa vontade será feita
                                        Eu calarei a fome dos meninos.

                                        Vocês preferem que eu vos cante
                                        Sem vos lembrar os tiros e as facas?
                                        A vossa vontade será feita
                                        Eu calarei o frio das barracas
                                     
                                        Vou tentar não falar do que acontece
                                        Vou tentar falar sem dizer nada

                                        Vocês preferem que eu vos fale
                                        Com um sorriso a iluminar-me as trombas?
                                        A vossa vontade será feita
                                        Eu calarei o estilhaçar das bombas.

                                        Vocês vão gostar que eu não cante
                                        A luta de nós todos todo o ano
                                        A vossa vontade será feita
                                        Não falarei do povo alentejano

                                       Vou tentar não falar do que acontece
                              Vou tentar falar sem dizer nada

                                        Não falarei do luxo e da miséria
                                        Não falarei do vício e da canseira
                                        Não falarei das damas, das mulheres
                                        De tudo o que se passa à nossa beira

                                        Não falarei do Amor, nem da Verdade
                                        Nem do suor deixado no trigal;
                                        Eu não ofenderei vossas excelências

                                        Nem a civilização ocidental!